Cerrado Livre

MENU
Logo
Sexta, 17 de setembro de 2021
Publicidade
Publicidade

Notícias

De: Maguito Vilela e Léo Mendanha Para: Daniel Vilela e Gustavo Mendanha

Nota

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Filhos,

Estamos preocupados com a briga entre vocês. Resolvemos intervir porque a bobagem inicial já nos parece séria. Ficam nessa disputa atrasada de carta pra lá, carta pra cá. Carta era do Drummond pra Cora, naquele tempo, naquele nível. Fizemos tanto para modernizar Aparecida e o Estado e vocês caem nessa armadilha antiga, com métodos que já eram antiquados nos tempos bíblicos: dividir os irmãos para conquistar seu território. Unidos, vocês permanecerão fortes e vão crescer até a postos que não alcançamos. Divididos, levarão as duas famílias ao sofrimento e uma delas ao insucesso eleitoral – talvez até ambas. É isso que almejam? Vários preveem que se estivéssemos aí haveria paz. A surpresa é que jamais os deixamos. Vocês mesmos dizem nas orações que nos veem a cada passo. E é real isso. Percorremos juntos milhares de ruas, rodovias... É possível andar por elas sem sentir a nossa presença? As obras que fizemos são a nossa continuidade, tanto quanto vocês dois. Obras em vastos sentidos... Olhem para elas e vejam que não há morte para quem realiza. Olhem para elas e nos vejam. Olhem... Não para cima, pois não paramos nas nuvens, no azul do infinito, nas estrelas que guiam tantos e tontos, na lua a clarear as mentes. Olhem para o lado. Se ao lado de um estiver o outro, nossa obra estará completa, como a lua e as estrelas. Sobre as demais obras... Ainda há muito a construir, pois as pessoas precisam e vocês têm condição de ajudá-las. Cada ser feliz também é uma realização. Olhem para o sorriso de alguém que recebe os benefícios e nos vejam nele. Olhem no espelho e nos vejam em vocês. Conseguem esquecer-se de tudo que sonhamos juntos? Vocês redigiram esses sonhos. E as nossas conversas durante as viagens por todo o Estado de Goiás? Estávamos juntos nessas viagens ao futuro. E os nossos projetos? Elaboramos juntos todos eles, nós quatro. Varávamos madrugadas falando das propostas para Goiânia e Aparecida. O eleitor das duas grandes cidades confiou nos nossos planos. Cabe a vocês honrá-los – os compromissos, os votos, a confiança. Lembrem-se da nossa fé em Deus e no semelhante. Cada qual na sua religião, renovamos a crença na voz roucas das urnas. Elas puniram Marconi Perillo com uma derrota acachapante. E vocês vão retirá-lo das catacumbas? O povo não quer e o MDB tem de querer. Em 2018, transitou em julgado a sentença popular condenatória e vocês vão transformar nosso legado em revisão criminal do Perillo? Os aliados tradicionais o expelem e vocês estão em contenda por causa dele? A Pepsico deu 1 bi pela fábrica e pagaria até mais para se livrar do nome Mabel e vocês falando nele? PC Martins está na Assembleia desde 1900 e bolinha, nada apresenta de relevante no Legislativo e vocês se engalfinhando em virtude de quem ostenta tamanho mosaico de defeitos? Vamos nos concentrar no que delineamos: a volta do MDB ao governo, para aplicação de nossas metas. Uma delas é: chega de perder. Somente nessas mensagens de bom-dia em WhatsApp revés é prenúncio de triunfo. Perdemos seis seguidas. A ideia de vocês é manter a estratégia para perdermos mais meia dúzia? Debatemos entre nós quantas vezes acerca disso... Quando se armarem para o confronto, pensem que seus pais preferem o escudo à lança. A inteligência protege mais a cabeça que o capacete – importa o que está dentro, apanha o de fora. A medida sábia é vocês dois se reunirem, no sentido de retorno da união, não de reunião. Queremos ver daqui a alegria do reencontro, os elogios mútuos, os abraços (de máscara, tá bom?). Vocês são nossa herança. Voltem a ser amigos e serão mais que irmãos. Em vez de elevarem o tom, levantem a bandeira branca. A divisão entre vocês interessa aos inimigos do MDB, que devem estar vibrando, pois querem fratricida a dupla que criamos fraterna.

 

Um beijo pra vocês.

Léo e Maguito.